19
Products
reviewed
1066
Products
in account

Recent reviews by Araripe

< 1  2 >
Showing 1-10 of 19 entries
32 of 32 people (100%) found this review helpful
3 people found this review funny
7.1 hrs on record
First of all, if you are looking for a rally sim, this game is not for you. I really wonder why Kylotonn Racing Games says that this game is a simulator, because it's not. Not even close, to be honest. And it's not a bad thing. Not for me, at least. Of course that it's a very negative aspect of the game, given the fact that the fans were waiting for an officially-licensed WRC simulator for ages. Unfortunately, they will need to wait a bit more. Even if it's not realistic, playing it is quite enjoyable: it makes you feel like a professional rally driver, nailing all the corners and flying through the straights. It's one of the most rewarding feelings while playing a rally game, of course. And you do not even need to practice a lot to be able to reach that level of "skill", which makes it suitable for rally lovers without too much spare time. And, even if pretty easy, nailing the stages is rewarding. Just like it would be at a simulator, but effortlessly.

"Why are all the reviews negative, then?". That's something worth questioning. And it's clearly noticeable after 30 minutes into it: it's a massive step back from WRC 4, graphically, content-wise and physically. And it wasn't even a great rally game back in the days, because Milestone (old developer) wasn't able to leave the comfort zone and make something different. From WRC "1" (2010) to WRC 4 (2013), nothing changed at all, with a few exceptions (career mode was slightly improved after WRC 3, bringing classic cars and new categories). Anyway, small changes end up equalling to nothing. Mostly when pretty much everything looks the same. This is exactly why Kylotonn ended up holding the license, with a simple mission: develop the best WRC game ever made. I don't even need to mention that they failed miserably.

WRC 5 is not bad. It's far away from it. The negative results are simply the reflex of disappointing the WRC fans. They were expecting a simulator, with great graphics, close to real-life stages, realistic engine sounds, convincing physics and top-notch content overall. What they got, though, was "more of the same": the only thing that they could consider as new were the updated cars, drivers and stages. Everything else, from gameplay to career mode, was the same. Nothing innovative, nothing exceptional. Just the usual. How could they expect their fans to react nicely?

The cars are considerably beautiful (given the limitations), and so are the stages. It's really fun to drive fast through every country, nailing every single piece of it and feeling like the ultimate king of WRC. It's more than fun, honestly. It's amazing. That's where WRC 5 shines. The career mode is great, extremely immersive and rewarding but kinda empty at the same time. Maybe because it's exactly like every single career mode that the franchise had before. Innovations could and would be great. Why not to make something different like character customization, press conferences, etc...? Is it that hard to do? I don't think so. Kylotonn had to dig deeper and bring something jaw-dropping, but they decided to not take any risks and brought something that the players were used to. It's an arrow in the knee, considering that career mode is usually what most of the players are looking for (and multiplayer, of course).

If you are a huge fan of the onboard cam, this game is going to disappoint you a little bit. It felt just like being shot from behind when I took the Lancer Evolution X to a ride through Mexico and noticed something quite unusual about the interior: believe it or not, it was the Impreza's. Yes, a Mitsubishi with a Subaru interior. This evidences how much research were done in order to bring the best WRC experience that you could ever ask for.

There are lots of positive aspects, though. The cars have different liveries for each and every rally, with the respective logo (ADAC, RACC, Neste Oil Finland, etc). It's a small detail that makes a lot of difference. DiRT Rally, on the other hand, has the same sticker for each and every stage. Would be even better if it was actually an innovation, but the old Milestone titles had it as well. Same for the custom name on the window (which is incredibly immersive and extremely cool, and I am glad that Kylotonn "copied" this). Two little details that end up counting a lot.

Regarding wheel support, this game is a joke. The actual list of supported wheels has less than 7 different models if I am not wrong. It's unacceptable for a 2015 game, and the devs promised a fix one year ago. Nothing yet. Continuous support is really important if you actually want your game to be popular and loved by the players.


If you are just a casual looking for fun, dust and high speeds, this game is definitely worth a try. Do not pay full-price for it, though. Kylotonn is asking way too much for what the game actually offers. Wait for a sale and then buy it, download it and play it. If you are a rally lover like me, you are going to enjoy this game a lot (as long as you do not expect it to be a simulator, and also ignore the negative aspects).
Posted December 4, 2016.
Was this review helpful? Yes No Funny
82 of 103 people (80%) found this review helpful
200 people found this review funny
7,873.9 hrs on record
Before my first contact with this game, I had a life, a wife, two kids, a nice house and also a car. Then, I met Universe Sandbox. This game was exactly what I needed to be happy. I am a new guy now. My undies are always brown as I am so addicted that I can't leave my chair. My house has trash and rotten food all over the floor because I can't stop playing this. I am not sure, but looks like my wife went away with my children and my car. I am all by myself now. No time to care about this, tho.
This is the most amazing sandbox game ever made. I am still looking for the sand, tho. 2,222 hours in and no sand yet. But I hope it will appear someday. I will keep looking for it.
It's the best game ever made. The whole mankind needs to know about this masterpiece. It's a huge universe building tool where you can even make planets crash and bring disaster and death everywhere. This is what I call bloody.
If you think that The Witcher 3 or Fallout 4 are the best games ever made, go learn a bit more about games and figure out that Universe Sandbox is the ultimate masterpiece. It's better than sex.
I still wonder where the sand is.

10/10 Would ruin my whole life again. No Regrets.

*It's not serious, in case you are wondering*

The game is pretty fun. Worth buying.
Posted February 23, 2016. Last edited February 23, 2016.
Was this review helpful? Yes No Funny
76 of 82 people (93%) found this review helpful
9 people found this review funny
24.1 hrs on record
Test Drive Unlimited 2 foi o último lançamento da antiga franquia Test Drive, dessa vez pelas mãos da Eden Games e da Atari. Fez muito sucesso em sua época de lançamento por trazer um mundo completamente aberto e centenas de carros dos mais variados preços e potências. Ambientado na ilha de Ibiza, o jogo traz cerca de 980 quilômetros de estradas reais, mapeadas por satélite. E, como não poderia deixar de ser, o modo multiplayer massivo de Test Drive Unlimited, de 2006, está de volta. Dessa vez, com todos os aspectos negativos de erros de conexão corrigidos, visando uma experiência multijogador única e realmente divertida.

No que toca ao mundo do jogo e veículos, tudo está perfeito. Porém, a Eden Games deixou e muito a desejar durante a criação da história do game. Para não soar demasiado ofensivo, a historyline do jogoo aparenta ter sido criada por várias crianças do ensino fundamental. O personagem inicialmente é um valete, que, logo em seguida, torna-se um piloto de corrida. Nada de anormal, se não fossem as corridas e o evento criado para que haja essa progressão até o topo. O famigerado evento chama-se Solar Crown, e aborda várias categorias. Também nada de estranho até aqui, se não fosse o fato de que há uma suposta transmissão de TV do evento, mas não é possível ver câmeras no cenário, nem muito menos qualquer tipo de equipe de apoio. Quebra toda a atmosfera de corrida profissional, deixando tudo com um gostinho de Need for Speed Underground e suas corridas ilegais. Fator exageradamente negativo? Não. Mas não equivale à descrição da desenvolvedora. Resumindo, disseram uma coisa e fizeram outra.
Para piorar ainda mais a situação, resolveram que TDU 2 seria um "The Sims" automobilístico, com um fator social bem trabalhado e desenvolvido. No jogo, você tem o seu avatar, compra roupas, faz cabelinho, cirurgias plásticas, compra casas e mansões, participa de clubes, etc... Soa interessante, não? Pois é, pena que tudo isso foi mal executado. Não há muito o que fazer no aspecto social, além de andar pelas casas e conversar via texto com os seus amigos. Não é possível interagir com a mobília, por exemplo. Não que seja tão ruim assim, mas não corresponde ao que a desenvolvedora tanto propagandeia. É supérfluo demais para ser considerado um "The Sims" de corrida. Há toda a hierarquia de status, todas as possibilidades do mundo de mostrar o dinheiro que você tem, de colecionar incríveis bólidos, etc. Até um certo momento, é divertido. Mas depois, enjoa. É quase certo que esse aspecto "social" foi uma falha tentativa de atrair jogadores que gostam de ser bon vivants em qualquer tipo de jogo. Conseguiram? Até um certo momento, sim. Mas é difícil ficar viciado no jogo caso a sua única motivação seja a ostentação em si. Para um jogo que foi adiado várias vezes, um fator social falho é um verdadeiro tiro no pé.

No aspecto diversão em si, o jogo é excelente. Simplesmente fuja do fator social, e aproveite os 900 quilômetros de estradas com os seus amigos. Caso viajar por um mapa paradisíaco não seja muito a sua "praia", esse game definitivamente não é para você. Eu, como amante de viagens e de carros, adorei esse aspecto. É extremamente divertido passar o dia inteiro viajando por toda a imensa ilha de Ibiza.

Caso você esteja procurando um simulador, fuja daqui. TDU 2 é extremamente arcade. Talvez teria feito muito mais sucesso caso tivessem apostado em uma fórmula mais realista, mas procuraram desenvolver um jogo muito mais simplório para atrair mais público. Não que a pilotagem no jogo seja tão simples quanto nos Need for Speeds. É consideravelmente difícil por um certo aspecto. O problema é que a direção não é NADA convincente. A sensação é a de que você está dirigindo um sabonete motorizado. Não que isso estrague o jogo. É simplesmente um pormenor.

Por mais que TDU 2 deixe a desejar em vários aspectos, trata-se de um jogo realmente divertido. O fator social é falho, mas o sistema de níveis que foi criado é bem divertido, e lhe pontua por explorar cada pedaço da ilha. Ao atingir o nível 10, você desbloqueia o mapa do Hawaii (sim, o mesmo do TDU), com gráficos melhores e novas estradas. Outro lugar para explorar e curtir com os amigos. Resumindo, se você conseguir se contentar apenas com a exploração massiva com os seus amigos, o jogo é excelente. Caso contrário, fuja para as colinas o mais rápido que puder.

Posted October 2, 2015.
Was this review helpful? Yes No Funny
69 of 76 people (91%) found this review helpful
4 people found this review funny
40.7 hrs on record
Early Access Review
O DiRT Rally chegou inesperadamente no dia 27 de Abril, sem absolutamente nada ter sido mencionado antes. Uma verdadeira surpresa para os fãs do Rally. Para a alegria de uns e tristeza de outros, o jogo ainda não está totalmente pronto: trata-se de uma early acess release, que permite que os jogadores comprem o título antecipadamente e participem do desenvolvimento.

Por tratar-se de uma versão de acesso antecipado, o game conta apenas com 3 localidades e 36 etapas no total, além de 17 veículos de diferentes épocas. Novas localidades, veículos e estágios serão adicionados ao decorrer do processo de desenvolvimento, que irá levar cerca de 1 ano.

Diferentemente dos títulos anteriores da franquia, DiRT Rally traz uma abordagem diferenciada do Rally, focando em uma jogabilidade realista e desafiadora, totalmente oposta ao que foi visto em DiRT 2 e DiRT 3. Ainda não trata-se de um simulador propriamente dito, mas é um meio-termo. Agora, manter-se na pista em alta velocidade não é mais tão simples, mesmo com as assistências ligadas. O jogador realmente precisará de talento, técnica e bastante sorte para finalizar o estágio em primeiro lugar. E, mais do que nunca, dependerá do co-piloto para um bom desempenho (pela primeira vez na série, visto que o co-piloto não passava de um enfeite nos títulos anteriores). Talvez essa tenha sido uma das mudanças mais significativas da série.

O layout dos estágios também está muito mais maduro do que nos títulos anteriores, trazendo uma atmosfera muito mais imersiva. Antes (DiRT 3, principalmente), os estágios eram completamente lineares e fáceis. Agora, trazem centenas de desvios e curvas fechadas para tornar a tarefa de chegar vivo ao fim do percurso ainda mais árdua e divertida. Parte dessa evolução vem da maior proximidade da Codemasters com o universo do Rally (eles agora possuem um piloto e um co-piloto profissionais que competem pela Inglaterra todinha em um Subaru Impreza 1995). Portanto, espere realmente sentir a real atmosfera do Rally em sua pele.

Por tratar-se de um jogo em acesso antecipado, muita coisa ainda está faltando, obviamente. O Force Feedback, por exemplo, ainda não é 100% funcional, e alguns modos de jogo ainda não estão habilitados. Em poucos meses, isso já estará resolvido. Mas, se você não for paciente, é melhor deixar para comprar depois que tudo já estiver corrigido.

A variedade de veículos ainda é bem pequena, mas a Codemasters prometeu aumentar a frota através de atualizações gratuitas ao longo do desenvolvimento, trazendo mais veículos atuais (atualmente, só existem 2 veículos atuais presentes: o Mini Cooper e o Ford Fiesta WRC).

DiRT Rally aparenta ser um game promissor. Mas ainda há muito chão pela frente para que este faça parte do hall consagrado dos melhores jogos de Rally de todos os tempos.
Posted April 28, 2015. Last edited April 28, 2015.
Was this review helpful? Yes No Funny
122 of 147 people (83%) found this review helpful
18 people found this review funny
98.5 hrs on record
Grand Theft Auto V é uma verdadeira obra-prima da americana Rockstar Games. Diferentemente do anterior, a história se passa no estado de San Andreas (o mesmo de Grand Theft Auto: San Andreas, de 2004), uma região baseada no estado da Califórnia, tendo como "capital" a cidade de Los Santos, que trata-se de uma versão satirizada de Los Angeles. Uma cidade repleta de celebridades fúteis, criminosos, ricos e políticos desonestos. Como não poderia deixar de ser, Los Santos traz toda a beleza da cidade-inspiração de Los Angeles.

Valendo-se desse belo - e polêmico - cenário, a Rockstar desenvolveu uma trama excelente, inovando a série completamente. Pela primeira vez, o jogo traz três personagens, cada qual com a sua própria história e personalidade: Franklin, um membro de uma gangue de rua que ainda não sabe nada sobre a vida; Trevor, um ex-piloto da força aérea americana e também psicopata; Michael, um ex-ladrão de bancos de sucesso, vivendo extremamente bem. É através desses 3 personagens que a história se desenvolve, mostrando toda a face podre de Los Santos e seus arredores.

A versão para computadores chegou no mercado após um período de 2 anos sendo "testado" nos consoles, trazendo inúmeras vantagens: 60 fps e resolução 4K. O PlayStation 4 era a experiência mais próxima disso, com 1080p de resolução e 30 quadros por segundo constantes. A própria Rockstar definiu a versão para computadores como a experiência definitiva de Grand Theft Auto.

A jogabilidade herdou alguns vários aspectos do jogo Max Payne 3, como o novo sistema de cobertura, seleção de armas e o próprio crosshair, com o intuito de simplificar a jogabilidade e permitir várias armas semelhantes. Em Grand Theft Auto IV, por exemplo, só era possível portar uma arma de cada tipo. Agora, é possível ter diversos modelos de pistola, diversos modelos de rifles de assalto, etc... A dirigibilidade dos veículos - muito criticada na versão anterior - foi completamente remodelada, tornando tudo bem mais simples e permitindo corridas em alta velocidade pelas estradas curvilíneas do interior de San Andreas.

O modo multiplayer foi completamente reformulado, trazendo uma espécie de MMO que engloba todos os modos de jogo existentes no IV e vários outros completamente novos. Além disso, agora é possível criar o seu próprio bandido, montar quadrilhas com seus amigos e roubar bancos, lojas, dentre outras atividades diversas. Jogar GTA Online nunca foi tão divertido e viciante.

Para os que preferem o single-player, a campanha é excelente e muito divertida. A história traz um certo equilíbrio entre sarcasmo e comédia que se encaixa perfeitamente, prendendo o jogador do início ao fim. Além disso, a Rockstar investiu bastante em mistérios e easter eggs para que o jogador tenha bastante coisa para fazer após finalizar a longa - e deliciosa - campanha. E, como não poderia deixar de ser, matar transeuntes inocentes e trocar tiro com a polícia nunca foi tão divertido. Principalmente após a adição da câmera em primeira pessoa, que facilita ainda mais a jogabilidade com mouse e teclado. E, certamente, deixa o jogo muito mais imersivo.

Ainda falando sobre a maravilhosa câmera em primeira pessoa, é importante ressaltar que o game é compatível com o Oculus Rift, que o faz, literalmente, encarnar o personagem. Você terá visão integral do cenário, como se realmente estivesse em Los Santos praticando os mais variados crimes.

É inegável que Grand Theft Auto V é um título indispensável em qualquer biblioteca. É uma verdadeira experiência de vida. Não só por permitir as mais variadas fantasias, mas também por trazer gráficos deslumbrantes e ser extremamente viciante. Enjoar de GTA é uma missão impossível.
Posted April 21, 2015. Last edited November 23, 2016.
Was this review helpful? Yes No Funny
89 of 98 people (91%) found this review helpful
144.2 hrs on record
Early Access Review
Antes de dar início à essa análise, devo lembrar à vocês de que o Assetto Corsa é um título ainda em acesso antecipado, ou seja, não trata-se de uma versão final do jogo. É algo semelhante à um beta, com a diferença de que você deve pagar para poder testar. Bem, deixadas as considerações iniciais, agora finalmente poderei iniciar a análise desse grandioso simulador:

O Assetto Corsa é o fruto de uma vasta experiência adquirida por parte da desenvolvedora - Kunos Simulazioni - no ramo da simulação automobilística. A pequena desenvolvedora italiana criou simuladores consagrados, como o Ferrari Virtual Academy e o NetKar Pro, por exemplo. Desde os primórdios já era capaz de oferecer aos jogadores uma jogabilidade extremamente realista, graças ao simples fato de que o escritório da Kunos fica situado dentro de um dos mais populares autódromos italianos, o Autódromo Vallelunga Piero Taruffi. Contando com quatro quilômetros de extensão total e retas de quase um quilômetro, é a pista ideal para levar qualquer veículo aos limites. E foi com esse objetivo que a pequena Kunos instalou-se em uma garagem nos pits, usando-a como escritório principal para o setor de desenvolvimento de jogos.

Com uma pista de testes à disposição, era de se esperar que o nível de realismo dos próximos lançamentos aumentasse, o que - de fato -, aconteceu. Nos títulos mais antigos, porém, o descaso da mídia foi grande demais, e poucos sequer sabiam da existência dessa "empresa de garagem". Cansados do marasmo, resolveram dar a cartada final: o Assetto Corsa. Anunciado publicamente em 2012, o game logo excitou os fãs do automobilismo virtual. Primeiramente pela carência de bons simuladores no mercado recente, visto que a SimBin não havia dado continuação à franquia RACE (o que havia de mais "atual" no período). O outro fator que desencadeou tamanha excitação foi a qualidade gráfica: a engine do jogo havia sido criada pela própria Kunos, focada totalmente na simulação. Não tratava-se de uma engine qualquer adaptada para o mundo da velocidade sobre quatro rodas, mas sim um motor de jogo criado do zero, diretamente do Autódromo de Vallelunga! Não apenas ofereceria um realismo físico e mecânico completo ao jogo, mas também visual. Graças à avançada técnica de laser-scanning e outras tecnologias, as pistas do Assetto Corsa não são como às de outros jogos. Como o próprio nome já diz, "laser-scanning" é um processo de escaneamento à laser, ou seja, uma cópia fiel do terreno obtida através de um equipamento à laser. E a fidelidade é total, pois cada mínimo detalhe é registrado pela máquina. Todas as elevações de terreno e variações na pista são meticulosamente calculados e convertidos para o jogo com 99% de precisão. Já existem vídeos no You Tube que comprovam a eficácia da tecnologia, mostrando veículos iguais (um real e o outro virtual) a completar o traçado na mesma pista (uma real e outra virtual, obviamente).

O jogo chegou ao Steam ano passado. Foi uma entrada tímida, mas logo caiu nas graças dos jogadores. E não tardaram a surgir comparações com simuladores "atuais", como GTR 2, iRacing, o polêmico Project CARS e a série Shift. E o simulador italiano venceu (na opinião popular, visto que não houve comparação técnica por autoridades competentes) por unanimidade. Não houve uma pessoa sequer a questionar a fidedignidade do título. Agora continua na liderança, embora com uma vantagem muito pequena em relação ao Project CARS, outro título em desenvolvimento.

E, de vez em quando, volta a "bombar" na mídia quando algum site de jogos o "descobre" no fundo de uma estante de uma loja de departamentos. A mídia elogia bastante o jogo como um todo, e as críticas são mais direcionadas para o multiplayer em si. Infelizmente o modo multijogador ainda deixa a desejar, mas nada que não possa ser resolvido até o ano de 2015, que é a data prevista para o lançamento oficial.

Outro aspecto que não pode ser deixado de lado é a forma como a Kunos Simulazione interage com os fãs. Como quase toda pequena desenvolvedora, o nível de proximidade é muito maior. Buscam sempre satisfazer os fãs com imagens de carros em processo de modelagem, pistas em desenvolvimento e fotos dos funcionários em vários momentos. O suporte também não deixa à desejar, e responde rapidamente aos fãs. O quesito suporte é um dos maiores receios que o gamer tem na hora que vai comprar um jogo de uma desenvolvedora de pequeno porte, pois nem sempre há a garantia de que as dúvidas e os problemas serão realmente sanados.

Pessoalmente, o título me agradou bastante. O visual do jogo é bonito, rico em detalhes e ao mesmo tempo leve. É um jogo que não exige muito do seu hardware para proporcionar uma boa diversão. A jogabilidade com o volante é certamente fantástica, pois cada carro possui seu próprio force-feedback e "peso" (sim, você sentirá grandes diferenças ao dirigir um Abarth 500 EsseEsse e depois cair direto na boleia de um Pagani Zonda). Essa experiência de imersão que os efeitos do volante proporcionam é recompensadora.

Como eu já havia destacado anteriormente, o único ponto negativo do jogo é o multijogador. Mas é algo que deve ser relevado, já que o jogo está em acesso antecipado e os desenvolvedores já colocaram uma janelinha pop-up que - quando o jogador escolhe o modo multiplayer - avisa que é normal que - nesse estágio de desenvolvimento - problemas ocorram.

O jogo é, indubitavelmente, muito promissor e ainda tem muito novo conteúdo à ser revelado. A Kunos inclusive já exibe publicamente em seu site algumas das pistas e carros que já estão em desenvolvimento. Para quem realmente curte automóveis e simulação hardcore, o Assetto é uma boa pedida. Mas, se você se encaixa no grupo dos que simplesmente querem andar em alta velocidade mas sem nenhum comprometimento, lhe recomendo jogos arcades como as séries GRID e Need for Speed. Se nenhuma dessas categorias se encaixa em você, e mesmo assim você tem um leve interesse no jogo, deve ser porque você é um colecionador. Nesse caso, recomendo aguardar uma boa promoção. Além do mais, o Assetto é um jogo que certamente não merece ficar "mofando" na sua biblioteca.

WELL, THE TEXT IS KINDA BIG AND I USED SOME COMPLEX WORDS, SO, I WON'T TRANSLATE THIS TIME. IF YOU WANT TO READ MY REVIEW, SIMPLY COPY THE WHOLE TEXT AND TRANSLATE IT ON GOOGLE TRANSLATE. IF YOU HAVE ANY DOUBT WITH THE TEXT, CONTACT ME.
Posted August 15, 2014.
Was this review helpful? Yes No Funny
129 of 142 people (91%) found this review helpful
25.0 hrs on record
Antes de começar a escrever essa longa (ou não) análise, já aviso que não compre esse jogo se espera que ele seja algo semelhante à ArmA 3. Trata-se de algo intermediário, mas muito mais próximo de Counter-Strike do que uma simulação militar em si. Entenda Insurgency como o modo hardcore do Battlefield: quase nada de HUD, sem crosshair e sem ammo-counter. O game é basicamente isso, só que sem os gráficos espetaculares e mapas enormes. Porém, Insurgency destaca-se mais no aspecto cooperativo do que o Battlefield, pois aqui a coerção da equipe é mais do que vital. Diferentemente do Battlefield, onde vence a equipe que conta com o jogador mais sortudo (ou habilidoso) que acerta headshots quase sempre. Em Insurgency, um ou dois tiros são suficientes para tirar-lhe de combate. Portanto, todo o cuidado é pouco. É mais do que necessário usar e abusar dos covers.

No quesito gráfico, espere algo semelhante aos visuais do Counter-Strike: Global Offensive, mas não superior. No FPS mais popular do Steam, as sombras são extremamente bem-detalhadas, tal qual as texturas e a construção do cenário. Porém, essa "obra" teve as mãos da VALVe, diferentemente do Insurgency que é um jogo independente. Este ainda sofre com gráficos padronizados da Source Engine.

Um aspecto que não posso deixar de frisar é a customização das armas. Em Insurgency, você pode adicionar silenciadores, foregrips, miras holográficas ou telescópicas, mira laser, et coetera à medida que você vai conseguindo pontos na partida. Estes são ganhos matando inimigos ou capturando pontos no mapa (depende do modo de jogo). Resumindo, você adapta a sua arma para o mapa e ao longo das rodadas pode ir incrementando-la cada vez mais para que a vantagem sobre o inimigo fique ainda maior.

Apesar da hitbox ser levemente imprecisa, a jogabilidade é simples e os mapas foram criados para oferecer uma partida taticamente equilibrada entre os times. Este apelo tático é suficiente para as pessoas que não querem algo aprofundado demais (como ArmA 3), mas sim um Close Quarter Battle básico para diversão. Para os amantes de CQB, o game é excelente. Mas para quem gosta de mapas extensos e ampla variedade de abordagens, eu não recomendo. Assim como a série ArmA, trata-se de um jogo de nicho. Mas é um nicho menor ainda. Isso é perceptível quando checamos a quantidade de jogadores diários. A média é de, no máximo, 500 indivíduos. Estes, porém, são muito ativos e acumulam muitas horas de jogo.

Pelo baixo preço e pela diversão que oferece, é um título que não pode faltar na sua biblioteca. Mas apenas se você se encaixar nos requisitos mencionados acima. Caso não, é melhor procurar um outro título, visto que Insurgency não é para você.

Posted June 17, 2014.
Was this review helpful? Yes No Funny
155 of 174 people (89%) found this review helpful
1 person found this review funny
30.4 hrs on record
Early Access Review
Após vários anos de sucesso com o jogo Garry's Mod, a desenvolvedora Facepunch Studios resolveu explorar um gênero diferente: survival. Criaram a engine gráfica, fizeram um mapa de 16 km², adicionaram pequenas cidades, ruas, muitas montanhas, zumbis, alguns animais e chamaram essa mistura de Rust. Pelo incrível que possa parecer, o jogo tornou-se logo um dos mais vendidos do Steam, apesar do preço "elevado" de R$ 35,00. Nos primeiros meses, o número de jogadores diários variava de 10 a 20 mil. Tornou-se febre instantânea entre os fãs de survivals e tomou conta do You Tube, com diversos canais ensinando dicas de sobrevivência e gameplays diversas. Esse sucesso na mídia fez com que o jogo logo ganhasse ainda mais popularidade, passando a ser muito conhecido pelos fãs de Minecraft e DayZ.

Com o passar dos meses, porém, a popularidade instantânea gerou também muitas críticas da mídia, que o acusava de ser um plágio barato de jogos como DayZ e Infestation. A desenvolvedora logo tratou de escapar dessa imagem de cópia barata de títulos já existentes no mercado, removendo os zumbis e focando muito mais no PvP. Sem os zumbis, o jogo ganhou uma cara nova e atraiu uma onda ainda maior de jogadores. Afinal, agora era um jogo muito mais realista e focado única e simplesmente na sobrevivência.

Atualmente (o jogo pode mudar o foco novamente em breve, afinal, Garry Newman parece ser bipolar), Rust consiste em sobreviver à todo custo, nem que para isso você tenha que matar, explodir e roubar. Você começa no meio do nada, com uma pedra, uma tocha e 5 bandagens. Seu objetivo inicial é colher recursos para fazer uma shelter (pequeno abrigo de madeira) e uma fogueira, que são vitais para a sua sobrevivência no meio do nada. Também é necessário caçar animais para garantir a alimentação. Os animais mais fáceis de matar são os veados e os porcos. Poucas pedradas já os aniquilam, e eles não o atacam. Evite ursos e lobos até ter uma arma de fogo em mãos.

Garry Newman, como todo bom capitalista, desenvolveu um jogo de sobrevivência PvP onde o que gera mais respeito é a imponência da casa do jogador. Portanto, não se deve deixar de gastar tempo colhendo recursos para fazer a maior casa possível. Quanto maior e mais imponente, maior o respeito e o poder. As maiores casas costumam ser dos administradores dos servidores, pois esses podem ter os itens que quiserem apenas fazendo o uso de comandos básicos.

Um ponto que para muitos pode ser frustrante é o permadeath. Se o seu personagem morrer, você simplesmente perde tudo o que tiver no seu inventário e renasce em qualquer lugar do mapa ou em seu saco de dormir (sim, é possível fazer um saco de dormir!). Esse saco é como se fosse um checkpoint, e permite que você respawne nele.

Mesmo em Early Acess, eu seria capaz de afirmar que Rust é um game que promete bastante. A Facepunch está investindo bastante em melhorias gráficas e novidades no gameplay, que torna-se simplório demais para um game de 2014. A mecânica de jogo é simples demais por enquanto, tornando-o extremamente desagradável para os que preferem gráficos bonitos e animações convincentes.

O jogo possui também alguns bugs engraçados. A shotgun, na vista de primeira pessoa é uma shotgun. Mas se você avistar um jogador com um shotgun na mão, ela vai parecer uma M16A2 sem o pente de munição. Realmente engraçado. As demais armas também. As pistolas do modelo de terceira pessoa são todas idênticas. Isso dificulta um pouco na hora de identificar o poder de fogo inimigo, mas nada que atrapalhe a jogatina.

Por ser Early Acess, o jogo ainda tem seus bugs gráficos e vários defeitos, mas é um título que recomendo a compra. É sempre bom já tê-lo na biblioteca, visto que após o lançamento o preço irá subir bastante.

In English:

I am a bit drunken at the moment, so, copy and paste into Google Translate.
Posted June 14, 2014.
Was this review helpful? Yes No Funny
112 of 131 people (85%) found this review helpful
103.8 hrs on record
Após revolucionar a indústria de games em 2011, a Overkill conseguiu manter a força e surpreender ainda mais com o sucessor, que conseguiu diversos prêmios ao redor do globo. O PAYDAY: The Heist, apesar dos inúmeros defeitos, foi um título marcante na indústria de games e cativou muitos jogadores, trazendo uma jogabilidade nos moldes de Left 4 Dead 2, onde a cooperação passa a ter uma importância muito maior. Trouxe um título onde fazer as coisas sozinho é assinar o atestado de óbito. Foi a receita de sucesso que gerou um titulo bastante divertido, onde 4 pessoas podiam jogar cooperativamente em rede roubando bancos, lojas, casas, etc [...]. Porém, o jogo apresentava vários defeitos no que competia à rejogabilidade. Os roubos eram poucos (apenas 6, se não me falha a memória) e não havia eventos raros e mapas dinâmicos. Era sempre a mesma coisa. Isso tudo colaborou para que o jogo perdesse a graça com poucas horas de jogo, culminando, então, em perda constante de jogadores fieis. Felizmente, já perto do lançamento do Payday 2, adicionaram uma nova DLC que trouxe várias melhorias ao jogo e o tornou popular por mais alguns meses, principalmente devido ao Overdrill, que moveu muitos clãs a buscarem a solução para entrar no Overvault. Após alguns meses de tentativas, felizmente um clã conseguiu entrar no cofre e encontrar as maravilhas lá escondidas (barras de ouro). Esse mistério todo em volta do Overdrill fechou com chave de ouro o primeiro título da série, que após a chegada do PAYDAY 2 perdeu totalmente os seus jogadores, tornando-se um título jogado apenas pelos nostálgicos.

PAYDAY 2 atendeu às expectativas, melhorando muitas coisas que foram criticadas no título anterior. Agora os roubos já não são tão iguais, visto que a localização da sala de segurança e do cofre pode ser diferente, além do que há a possibilidade de ocorrerem vários eventos diferentes, como muito dinheiro dentro dos cofrezinhos, Barras de ouro em cofres de lojas pequenas, carros blindados parados em frente ao banco, et coetera. Essas coisas colaboram muito para que os jogadores fiquem presos ao título, sempre buscando explorar todos os eventos raros e conseguir o máximo de dinheiro possível.

Além disso, adicionaram skill threes e customização de armas e máscaras, trazendo bastante diversão e liberdade ao jogador. Agora, será possível deixar seu fuzil com a sua cara, com os equipamentos que bem desejar. Que tal uma scope com 5x de ampliação para poder atingir os policiais de longe em mapas maiores? E o que acha de um pente extendido para poder carregar mais munição para o campo de batalha? A imaginação é o seu limite. A mesma coisa vale para as máscaras. Você poderá criá-la do jeito que quiser, com pinturas, cores e materiais distintos. O sistema de árvore de habilidades, mais popularmente conhecido como skill threes, permite que você compre habilidades para seu personagem de acordo com o seu level. As habilidades são diversas, como por exemplo: maior velocidade na hora de arrumar o drill, regeneração do colete, controle de recuo, lifebags maiores, etc... E existem quatro especializações: Mastermind, Technician, Enforcer e Ghost. O Mastermind é o "cabeça do grupo", que carrega life bags, tem habilidades de liderança e "badassery" pura, sendo capaz de render policiais e guardas. O Technician é o nerd do grupo, responsável por carregar aparatos tecnológicos diversos que visam a facilitação do serviço. O Enforcer é o Rambo do grupo, pois porta um colete enorme que oferece maior resistência e possui ammo bags. É ele quem deve "rushar" nos momentos finais dos roubos, quando as bags devem ser carregadas para dentro da van. O Ghost é o "Splinter Cell" do time. Silencioso e mortal. Duas palavras que definem sua função. É o que entra em qualquer lugar sem ser notado, mata os guardas, desativa as câmeras, rende e algema os civis e prepara o terreno para os demais entrarem e roubarem tudo. É uma das funções mais importantes, e muito requisitado em missões stealth (silenciosas). Em roubos no nível de dificuldade Death Wish ter um Ghost na equipe é vital e essencial.

Recentemente foi implementado o sistema "Infamous", para os jogadores realmente viciados. Agora, após chegar ao level 100 e ter ao menos 200.000.000 na conta offshore será possível virar um verdadeiro "badass". Suas skills e seu level serão resetados, mas você irá virar "I-0" e ganhar um par de óculos como máscara. Depois que atingir o I-100, será possível resetar para II-0, depois III-0, IV-0, e, enfim, V-0. Quando chegar em V-100, será finalmente um "master badass". Ganhará o respeito da comunidade e já terá experiência o suficiente para roubar o mundo inteiro. Porém, para chegar no topo precisará dedicar - no mínimo - 800 horas da sua vida. Em minha humilde opinião, vale a pena dedicar esse tempo todo. Ganhará máscaras exclusivas, muito dinheiro e poderá tirar onda de óculos escuros em assaltos com iniciantes.

PAYDAY 2 é um jogo que definitivamente deve constar em sua biblioteca, e merece ser baixado e jogado intensamente. É a prova viva da dedicação da Overkill em trazer uma excelente experiência do mundo do crime. Sinta na pele o que é ser um verdadeiro "badass".

O sucesso do game é tão grande que até mesmo a Electronic Arts está e tentar copiá-lo, com o infame Battlefield Hardline. Este, porém, não chega aos pés do que considero um dos jogos multiplayer mais divertidos da atualidade. Só falta um anti-hack.

ENGLISH:
No enough time to translate yet. Copy and paste inside Google Traslate. Any doubt, contact me.
Posted June 14, 2014. Last edited June 14, 2014.
Was this review helpful? Yes No Funny
19 of 25 people (76%) found this review helpful
1,914.4 hrs on record
O Counter-Strike: Global Offensive é um dos melhores FPS existentes hoje em dia, apesar dos gráficos já considerados fracos para a geração atual. Resgatou com sucesso a jogabilidade simples e viciante do Counter-Strike 1.6, e adicionou novos modos de jogo à essa mistura que faz sucesso desde 1999. Apesar da enorme concorrência, o pioneirismo no gênero ainda é do Counter-Strike, pelo o simples fato de ser verdadeiramente um e-Sport. Um "esporte" que rende muito dinheiro para ambos os lados: desenvolvedor e jogador.
É também uma verdadeira fonte de dinheiro, graças aos itens. Estes podem ser comercializados no mercado Steam, e o preço varia de acordo com a raridade. Apesar de ser difícil obter um ítem raro, de grão em grão a galinha enche o papo. Dentro de poucos meses, seus lucros já cobrem o valor investido no jogo.
Os servidores são muito organizados, e a chance de encontrar um hacker é muito nula. E, caso encontre, este logo será banido. Tudo isso para viabilizar uma experiência de jogo fantástica.
E, sim, o jogo continua viciante. É difícil largá-lo. E toda partida é diferente. Não há como enjoar facilmente. E os desafios são tantos que você só se sente saciado quando consegue todas as Conquistas. Até lá, já se foram 300 horas de jogo ou mais. Resumindo, é um jogo que rende realmente muitas horas de diversão.
Se você já jogou as versões anteriores e gostou, com certeza não irá se arrepender de comprar mais um excelente título da série. Atualizações frequentes, contendo novos mapas e skins de armas. Sempre trazendo novo conteúdo para que o jogador nunca enjoe.

English Version (Not a Translation):

Counter-Strike: Global Offensive is a must-have for FPS lovers. It keeps the fun and the simplicity of Counter-Strike 1.6, the recipe for a sucessfull game. The graphics aren't really good, but it is not a problem when your focus is only fun. For a Sourcey Game (game on Source Engine), the lighting effects are really considerable. You won't dislike the visual at all. But don't expect something near to a CryEngine-made game.
Valve kept the good things on the old games and added new stuff, like custom skins, new community-made maps and new game modes. It really makes the game better, and gives a new life to the Counter-Strike series. It is definitely a game for 300+ hours of gameplay.
If you like FPS games, you can't miss this one.

Nota/Grade: 9.5/10


Posted April 6, 2014.
Was this review helpful? Yes No Funny
< 1  2 >
Showing 1-10 of 19 entries